sábado, 7 de maio de 2016

A mãe que eu sou...



Eu sou a mãe que não queria ser,

Eu não queria engravidar, mas engravidei.
Eu não queria estar grávida e estava.
Eu queria fingir que nada estava acontecendo. Eu queria morrer por isso.
Eu não queria acreditar quando vi no exame "reagente" e criei meios de me enganar que não era real, mas era.
Eu não queria contar pra ninguém, eu não queria aquela criança dentro de mim.
Eu queria que meu destino me ofertasse a morte, para eu não me tornar mãe, mas eu ja era mesmo sem querer.
Eu não queria planejar um parto.
Eu chorava quando o bebe mexia, e não era de felicidade.
Eu sentia dor, muita dor.
Eu queria logo tirar aquilo de mim. Eu queria doar o bebê.
Eu achava que aquilo só queria me ferir e tirar meu mundo.
Eu so queria minha vida devolta, eu queria ser apenas eu, mas eu ja era "nós".

Eu tive cesárea.
Eu fui para um quarto sem bebe algum. Eu não sabia o que estava fazendo ali.
Vi outras mulheres vindo da sala de parto com seus bebês e eu não tinha nada, apenas um corte na barriga e pontos de sutura.
Eu so vi meu filho dois dias depois, numa incubadora, cheio de sondas, eu não podia toca-lo, apenas assistir.
Eu queria ver o amor que todos dizem ser sobrenatural, mas ele não estava ali. Estava um pequeno ser e era meu. Saiu de mim, e ual..isso era fantástico!!

Eu não sou a mãe que queria ser...

Eu sou a mãe que ouviu que o filho não ia viver, que entregou ele no centro cirúrgico sem promessa nenhuma de que voltaria de la,
sou a mãe que ouviu que era culpada por tudo o que ele tinha, mesmo ninguém sabendo o que de fato era.
Sou a mãe que levou desaforo pra casa só pra ter o filho vivo, sou a mãe que ouviu os gemidos de dor sem nada poder fazer, sou a mãe que disse no ouvido "pode partir" por não suportar mais ver sofrimento.
Sou a mãe que segura na hora das agulhadas e vê nos olhos do filho um pedido de socorro que não posso dar.
Sou a mãe que foi processada por pedir explicações médicas. Sou a mãe chamada de "louca" por proteger o filho mesmo que tenha que ofender alguém por isso.
Sou a mãe que cria sozinha.
Que deixa de ir a festas, deixa de estudar, de trabalhar, de dormir, de comer, para cuidar do filho.
Sou a mãe que vive sob vigília constante. Sob criticas e condenações, mas com pouca ajuda efetiva.
Sou a mãe que todos dizem o que fazer, mas que ninguém quer estar nunca no meu lugar.


A mãe que eu queria ser

Eu queria ser a mãe que o pai acompanha na sala de parto.
Eu queria ser a mãe que faz new born; queria ser a mãe que amamenta.
Queria ser a mãe que dorme junto com o filho, que faz festa de aniversário na escola com os amiguinhos.
Eu queria ser a mãe que vai na homenagem da escola no dia das mães.
Queria ser a mãe que leva o filho na escola dominical da igreja,
Eu queria ser a mãe que vê o filho no coral, que comemora o primeiro gol.
Eu queria ser a mãe que filma o primeiro passo, e que se irrita no super mercado com a birra por causa do chocolate.
Eu queria ser a mãe que encontra as coisas fora do lugar e rabiscos nas paredes.
Queria ser a mãe que faz lição de casa, e que busca o boletin no fim do bimestre,
Queria ser a mãe que viaja no fim de ano, que vai aos fins de semana na casa da vovó e que se irrita com o excesso de mimos dos avós.
Eu queria ser a mãe que vai ver o filho crescer, que conhecerá sua primeira namorada, que vai aconselhar e estar no dia da formatura. Eu queria ser a mãe que se tornará avó.

A mãe que eu sou..

Sou a mãe que descobriu o amor dia após dia e não numa embalagem pronta pra viagem. O amor não é assim.
Sou a mãe que entende que choro nem sempre é dor e que sorriso nem sempre significa bem estar.
Sou a mãe que da muitos remédios pra cessar a dor que não fala onde dói.
Sou a mãe que chora de desespero quando não sabe o que fazer.
Sou a mãe que aprendeu a usar seringas no lugar de mamadeiras, que aprendeu a trocar curativos ao invés de fraldas, e que aprendeu a manipular equipamentos ao invés de brinquedos.
Sou a mãe que carrega nos braços mesmo o filho ja tendo 6 anos e que provavelmente o carregara a vida toda.
Sou a mãe que tem hora pra tudo, menos pra mim mesma.
Sou a mãe que passa meses no hospital, que dorme em cadeira, que fica sem comer, que sente dores no corpo, mas que não se aparta do filho.
Que abriu mão da liberdade e do amor próprio, porque ama o filho mais que a si mesma e que qualquer outra coisa no mundo.
Sou a  mãe que ve o sorriso mais lindo do mundo quando o filho me escuta a voz.
A mãe que ve um filho lutar a cada minuto pra respirar, pra viver.
A mãe que ve o filho sorrir mesmo queimando de febre, mesmo gemendo de dor.
Sou a mãe que ve o filho fechar os olhos em paz quando o pega no colo e ve ele se aninhar em seu peito.
Sou a mãe que ve o filho contrariar a medicina quando dizem que ele não irá sobreviver, e ele vive.
Sou a mãe que implora pra Deus pela cura.
Sou a mãe que não sabe se ainda será mãe amanhã.

Sou a mãe que eu não escolhi ser, que eu não queria..

Mas sou a mãe que aprendeu a amar e ser amada, que aprendeu a agradecer por mais um dia, que encontrou forças que não sabia existir, que superou limites, que atravessou fronteiras de conhecimento e conversou com Deus.
Sou a mãe que eu não conhecia e que jamais quero deixar de ser.


Obrigada meu Angelo Gabriel por me fazer a mãe mais feliz do mundo <3


Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor. 1 João 4:8











12 comentários:

luzia pinho disse...

chorei sem palavras
so Deus pra te dar forca sendo mae e pai ao mesmo tempo

luzia pinho disse...

chorei sem palavras
so Deus pra te dar forca sendo mae e pai ao mesmo tempo

Adriana Rossi disse...

Chora não lu...vai acordar o anjo kkk ( brincadeira) bj

Zuleide N disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Zuleide N disse...

Eu li e terminei em lágrimas e acredito que ti entendo quando se fala em filho tenho 4 mulher linda e perdi um menino q acabou falecendo nos meus braços, sei o quanto o Ângelo vale pra vc.o q vc passa só quem passa q sabe o que é uma dor e uma vontade enorme de lutar pela vida é ainda vida de um filho só Deus pra nós socorre eu só tenho a lhe dizer nunca desista o choro vem pela noite e sorriso pela manhã Deus é maior te admiro muito. Obrigada por ser quem VC é.

Adriana Rossi disse...

Obrigada Zu (viu acertei RS) bj

Luciana Calçada disse...

��
Mãe segundo o coração de Deus. Te amo!

Adriana Rossi disse...

Amém Lu, Deus abençoe.

Ana Julia disse...

De fato um relato tão emocionante que fica impossível segurar as lágrimas. Admiro a garra e a força que vcs mamães com filhos eternamente bebês que requerem acompanhamento médico 24h. Deus múltiplique suas forças e lhe retribua a altura. Saudades do Anjo. Abcs.☺

Priscila Borges disse...

Não tem como não se emocionar. Que Deus possa sempre dar muita força para essa mãe e para esse Anjo lindo.

Patricia Souza disse...

Muito Lindo ver teu amor pelo Angelo, ele é muito lindo, sempre alegre, risonho, fofo demais. Agradeço a Deus por me dá oportunidade de conhecer pessoas assim como vcs dois!!

Adriana Rossi disse...

obrigada Paty :* nós que agradecemos pelo seu zelo e colaboração. Pessoas como você são raras.